Categoria: Empreendedorismo

Navegando nas Ondas do Emprego Triplo: Desafios e Oportunidades

Vivemos em uma era de múltiplas oportunidades, onde a ideia de ter vários empregos simultaneamente não é mais uma exceção, mas uma escolha deliberada para muitos profissionais. A busca por estabilidade financeira, crescimento profissional e a realização de diferentes paixões são alguns dos motivos que impulsionam a decisão de ter três empregos. Há inúmeras pessoas que trabalham de manhã em um emprego de CLT, a tarde faz bico e as vezes atuam de madrugada como um chaveiro 24 horas curitiba centro que não é necessário estar acordado durante a madrugada, somente se o telefone tocar, com isso, a pessoa pode descansar e caso apareça um serviço ela vá até o local, mas, isso iremos explicar durante o artigo. 

O Desafio do Tempo

Um dos maiores desafios enfrentados por aqueles que optam por ter três empregos é a gestão eficiente do tempo. Com demandas concorrentes de diferentes empregadores, é essencial cultivar habilidades excepcionais de organização e priorização. O equilíbrio entre trabalho, vida pessoal e momentos de descanso torna-se uma arte a ser dominada. 

Flexibilidade e Adaptabilidade

A capacidade de adaptação é uma qualidade inestimável para quem busca equilibrar múltiplos empregos. A flexibilidade para transitar entre tarefas e ambientes profissionais distintos é crucial. Profissionais que desejam trilhar esse caminho muitas vezes se destacam por sua versatilidade e habilidade de lidar com diferentes desafios simultaneamente.

Vantagens Financeiras e Diversificação de Habilidades

Ter três empregos oferece uma oportunidade única para diversificar fontes de renda. Isso não apenas proporciona maior estabilidade financeira, mas também cria uma rede de segurança em caso de mudanças em um dos empregos. Além disso, a diversificação de habilidades adquiridas em diferentes contextos profissionais pode tornar um profissional mais completo e valioso. 

A Importância da Autocuidado

Em meio à rotina agitada de três empregos, a atenção à saúde mental e física torna-se ainda mais crucial. Agendar momentos para o autocuidado, como exercícios físicos, meditação e períodos de descanso, é fundamental para evitar o esgotamento e manter um desempenho consistente em todas as ocupações.

Conclusão: Um Tríplice Caminho Rumo ao Sucesso Profissional

Ao explorarmos a possibilidade de ter três empregos simultâneos, mergulhamos em um oceano de desafios e oportunidades. Nesse contexto, a gestão eficiente do tempo, a flexibilidade, a atenção ao autocuidado e a busca por diversificação de habilidades tornam-se elementos essenciais para trilhar esse caminho de múltiplos compromissos.

É inegável que a busca por estabilidade financeira é uma das principais motivações para adotar essa abordagem. A capacidade de diversificar fontes de renda e criar uma rede de segurança financeira é uma estratégia inteligente em um mundo profissional cada vez mais dinâmico.

Contudo, vale ressaltar que o equilíbrio é a chave mestra desse empreendimento. A busca incessante por crescimento profissional não deve comprometer a qualidade de vida e o bem-estar pessoal. Portanto, é crucial reservar tempo para o autocuidado, momentos de lazer e para fortalecer os laços familiares e sociais.

O profissional que opta por trilhar o caminho dos três empregos está, de fato, embarcando em uma jornada desafiadora. No entanto, ao abraçar essa complexidade, ele tem a oportunidade não apenas de garantir estabilidade financeira, mas também de ampliar horizontes, expandir sua rede de habilidades e se destacar em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo.

Assim, concluímos que a escolha de ter três empregos é uma estratégia ousada e repleta de potencial. Desde que seja feita com sabedoria, mantendo o equilíbrio entre as esferas profissional e pessoal, essa abordagem pode se transformar em um tríplice caminho rumo ao sucesso profissional e pessoal. Ficou com alguma dúvida sobre o artigo Navegando nas Ondas do Emprego Triplo: Desafios e Oportunidades? deixe seu comentário. 

Como Aumentar sua Carteira de Clientes

Como Aumentar sua Carteira de Clientes: Confira o guia completo

Tão importante quanto vender e manter seus clientes fiéis, é aumentar sua carteira de clientes.

 

Desse modo, quanto mais pessoas ouvem falar sobre sua empresa e os serviços de qualidade prestados, sua empresa se torna um diferencial.

 

Além disso, quanto mais clientes sua empresa tiver, mais lucro e perspectivas de crescimento você terá em seu negócio.

 

Mas, para isso é necessário se comprometer com o processo de crescimento, estar disposto a melhorar aspectos da empresa.

 

Por isso, separamos um guia completo de como aumentar sua Carteira de Clientes.

 

Veja também: Dicas para Montar um Plano de Negócios.

Conheça seu mercado de atuação

O seu empreendimento precisa focar em um tipo específico de negócios e público-alvo.

 

Desse modo, é essencial que você compreenda o que faz com que seus clientes comprem a você.

 

Ademais, por isso é tão importante conhecer seu mercado de atuação, porque é possível conhecer o que o mercado procura, quais as dificuldades, o que falta nesse mercado.

 

Além disso, após conhecer seu mercado de atuação, você consegue saber qual o seu diferencial, porque os clientes compram para você e não para seus concorrentes.

 

Por fim, conhecer seu mercado também permite você aumentar sua Carteira de Clientes, por meio da captação de novos clientes. Para a maioria dos mercados, há marketplace de serviços que podem te ajudar a aumentar sua carteira de clientes.

Defina seu público-alvo

Para aumentar sua Carteira de Clientes, inicialmente, você precisa conhecer seu público-alvo, quem você atende, o que esse público espera, o que consome.

 

Além disso, para aumentar sua carteira de clientes é necessário conhecer detalhadamente os gostos, comportamentos, hábitos, interesses e outras características de seus consumidores para atrair sua atenção em meio às informações.

 

Ademais, essa técnica alinhada a segmentação da comunicação, auxilia a desenvolver conteúdos assertivos para serem percebidos por que a empresa deseja atingir.

 

Para saber esses dados, é possível usar a técnica persona, onde você representa de forma fictícia o seu cliente ideal, definindo isso baseado em informações tiradas do contato com seu público-alvo. 

 

Por fim, faça uma análise criteriosa sobre características comuns sobre eles e obtenha as informações desejadas.

Ouça seus clientes

Para aumentar sua Carteira de Clientes, você precisa ouvir seus clientes estabelecidos na empresa.

 

Com isso, você consegue entender quais os pontos fortes da sua empresa e consequentemente utilizar isso para captar novos clientes e aumentar sua Carteira de Clientes.

 

Além disso, é possível enviar formulários, prestar atenção nos conteúdos que engajam, fazer enquetes, prestar atenção nos comentários.

 

Por meio dessas informações, é possível melhorar serviços, atendimento, ampliar as soluções ofertadas de acordo com a necessidade do público e com isso aumentar o número de clientes.

Crie um diferencial exclusivo

Para aumentar sua Carteira de Clientes, você precisa ter um diferencial exclusivo, ou seja, algo que seus concorrentes não podem copiar. E isso é o que faz os consumidores comprarem a você.

 

Desse modo, em seu diferencial, é que os clientes visualizam o valor no que você faz e compreendem porque é importante contratar sua empresa e não outras.

Além disso, não precisa ser algo mirabolante, um bom diferencial pode ser uma nova maneira de fazer negócio.

 

Por exemplo, se você atua no segmento de comida, pode oferecer um doce especial para quem compra em determinado dia.

 

Ademais, pense em: meus clientes compram na minha empresa, porque é a única a?

Respondendo a essa frase, você saberá que é o seu diferencial exclusivo e se não encontrar a resposta, está na hora de encontrar um diferencial.

Forneça soluções efetivas

Para aumentar sua carteira de clientes, você precisa fornecer soluções efetivas, que cative seus clientes.

 

Desse modo, as pessoas irão procurar sua empresa, por algum motivo, por ter uma determinada demanda.

 

Além disso, é necessário fornecer soluções efetivas aos clientes, um lugar onde eles sabem que encontrarão o que procuram.

 

Por isso, com base em seu negócio, público-alvo e comportamento, hábitos e necessidades deles, forneça essas soluções. 

Monte um site 

Você precisa ter uma boa visibilidade do negócio, para aumentar sua carteira de clientes.

Desse modo, montar um site é uma forma de conseguir visibilidade para o negócio, porque assegura forte presença na internet.

 

Um local onde muitos internautas procuram serviços e informações antes de contratar um serviço ou comprar produtos em determinadas empresas.

 

Além disso, o site precisa ter um bom design, ser funcional, inteligente, responsivo, intuitivo e permitir que o usuário acesse o site de qualquer dispositivo.

 

Ademais, também é importante produzir conteúdos, com informações relevantes e orientadoras para os clientes.

 

Ao montar informações, você estará criando um conteúdo, que demonstra aos internautas o porquê dele precisar desses serviços.

 

Mas, ao criar conteúdo significativo também é uma forma de ganhar autoridade e consequentemente confiança dos internautas e possíveis clientes.

Esteja nas redes sociais

Atualmente, o mundo tem se tornado conectado, as pessoas utilizam as redes sociais para se divertir, mas também como uma forma de encontrar produtos e serviços.

 

Por isso, as empresas têm tornado as redes sociais uma ferramenta de trabalho, porque o alcance é muito grande.

 

Além disso, estar nas redes sociais auxilia a aumentar sua Carteira de Clientes, pois passa confiança, de acordo com os seguidores, os conteúdos produzidos, os feedbacks positivos.

Ademais, as redes sociais podem ser usadas para divulgar seus produtos e serviços e fornecer conteúdos que mostrem a seu público.

 

Desse modo, o conteúdo precisa ser de qualidade e demonstrar aos internautas, o porquê consumir determinado produto, contratar determinado serviço.

E o mais importante, porque fazer isso com sua empresa.

Forneça vantagens

Os clientes gostam de ser bem tratados, mimados, saber que a empresa pensa neles com zelo.

 

Por isso, para aumentar sua carteira de clientes, você precisa fornecer algumas vantagens para manter seus clientes, mas também para ganhar novos.

 

Desse modo, não esqueça que para aumentar sua carteira de clientes, você precisa manter os que já tem, e parte desse processo de aumento é feito pelos feedbacks positivos e indicações dos seus clientes.

Ademais, quando os clientes comprarem uma determinada quantidade ou em períodos específicos, oferecem vantagens a eles.

 

Além disso, com isso você demonstra zelar e se preocupar com seus clientes, mantendo sua fidelidade a eles.

 

7 dicas para montar um plano de negócios

Dicas para Montar um Plano de Negócios

Você já ouviu falar sobre o plano de negócios? Está claro para muitos que esta é uma ferramenta essencial para iniciar um negócio, mas esse mecanismo também pode e deve ser usado para planejar as grandes mudanças pelas quais uma empresa pode passar.

Por exemplo, na indústria da educação, as ações de planejamento são importantes quando um empreendedor decide disponibilizar novos cursos e, consequentemente, potencializar o número de clientes/estudantes, como, por exemplo, cursos de gestao financeira startup.

Além disso, ainda falando sobre o exemplo acima, mudar os processos internos da empresa para ser possível dar conta da fabricação e comercialização dessa novidade também pode ser estudado em um plano de negócios bem elaborado.

Outro ponto que reflete a importância do plano de negócios é justamente a avaliação financeira da empresa.

É nesse momento que o empreendedor decide onde encontrará recursos para colocar seus projetos em prática, seja abrindo uma empresa, expandindo-a ou inovando.

Essa etapa é fácil de ser superada se o empreendedor já tiver um bom planejamento financeiro.

Faz parte da hora de construir o seu negócio, avaliando especificamente os aspectos financeiros, acompanhando exatamente o que é fundamental para qualquer bom negócio: a saúde financeira — que pode ser aprendida em um curso de gestão financeira.

Curiosamente, além da documentação que é um mapa do próprio empreendedor, existe uma série de relacionamentos que exigem um plano de negócios compartilhado. É o caso de alguns tipos de linhas de crédito bancárias, exigindo que os planos da empresa avaliem a viabilidade de tais financiamentos.

Nas startups que buscam investidores não se difere: é preciso entregar a lição de casa. Um bom plano de negócios e segurança para quem tem interesse em trazer dinheiro para a empresa.

Por isso, além de ter uma boa formação em gestão financeira tecnologo ead, saber como elaborar um plano de negócios pode ser um grande divisor de águas entre uma boa empresa ou uma excelente corporação.

O que é um plano de negócios?

Um bom plano de negócios está na forma de uma proposta que responde às perguntas sobre como a empresa está organizada, clientes, fornecedores e estratégias que podem ser usadas para ganhar participação de mercado e manter o negócio.

Para elaborar um plano de negócios é preciso ter uma visão de um total de todos os setores e objetivos a serem conquistados.

Assim, buscar por um curso de empreendedorismo ead pode ser de grande ajuda, pois assim será possível ter o conhecimento total do seu negócio.

Como fazer um plano de negócios

Agora que você sabe o que é um plano de negócios, é hora de começar a construir um. Mas não se preocupe.

Um plano de negócios é sempre proporcional ao tamanho do seu negócio e aos desafios que você define para si mesmo.

No geral, o desenvolvimento de um plano de negócios consistente para sua empresa deve incluir as seguintes etapas:

  1. Sumário executivo

Um resumo executivo é a primeira parte do seu plano de negócios, mas, ao mesmo tempo, é a última parte a ser criada.

Nele, você irá resumir uma descrição do seu negócio e sua diferenciação no mercado; sua missão empresarial; um perfil de empreendedores e colaboradores; quais são seus produtos, serviços e principais interesses; quem são seus potenciais clientes; se existe uma necessidade; qual o investimento total; forma jurídica e enquadramento fiscal.

Por isso, ele geralmente é a última fase do plano de negócios a ser elaborada. Afinal, para ter um sumário é preciso de todo o conteúdo pronto.

Ao pesquisar por faculdade de gestão de pessoas o que faz, é possível ver informações do plano de negócios e explicações mais aprofundadas sobre o sumário executivo.

  1. Análise de Mercado

Por meio da análise de mercado, você entenderá quem são seus clientes e como estão seus concorrentes.

Essa é uma das partes essenciais do seu planejamento e pesquisa, pois por meio dela você entenderá melhor aspectos importantes do mercado em que vai atuar.

  1. Análise do concorrente

É muito importante ficar de olho nos seus concorrentes. Um passo importante nesta análise é examinar os pontos fortes e fracos e comparar com o que você planejou para o seu negócio.

Por exemplo, você pode conversar com sua área de comunicação e verificar se a gestão de marketing e branding está de acordo com o esperado e se os resultados estão sendo satisfatórios.

  1. Análise de Fornecedores

Seus fornecedores são aqueles que fornecerão as matérias-primas ou serviços necessários para o seu negócio.

Pesquise e avalie as melhores opções, entenda o timing e as habilidades de cada um e construa relacionamentos fortes para ter sempre prioridades e boas negociações.

  1. Plano de marketing

Um plano de marketing fornecerá objetividade ao seu negócio, onde você poderá descrever sua entrega para seus clientes.

Qual é o seu produto ou serviço, os clientes podem confiar em você por meio de especificações gerais. Ainda no plano de marketing, você detalhará a estratégia de vendas do seu produto e como pretende atingir os clientes.

É de extrema importância que a pessoa responsável por criar este plano seja bem especializada em gestão de marketing e comunicação. Isso porque, é fundamental ter total domínio do assunto para trazer os melhores insights.

  1. Plano operacional

Esta seção é onde você descreve como sua empresa irá operar no dia-a-dia. Na prática, você responder a perguntas como

  • Quando será possível vender tal produto?

  • Qual o melhor preço a ser atingido?

  • Para qual perfil de consumidor?

  • Precisei investir em promoções?

Neste plano, você mostrará os passos necessários para vender um produto ou prestar um serviço à empresa e assim, ter um maior controle sobre cada etapa.

  1. Planejamento Financeiro

Em um plano financeiro, você incluirá tudo que envolva dinheiro, despesas, investimentos e capital de giro em todas as ações planejadas no plano.

Para escrever um plano financeiro, considere o custo de tudo o que você escreveu até agora:

  • Matérias-primas;

  • Fornecedores;

  • Equipamentos;

  • Instalações físicas;

  • Hospedagem para domínios de sites;

  • Salários;

  • Marketing e entre outros.

O resultado de tudo isso em formato digital será o seu plano financeiro. Com ele, você terá uma ideia do investimento total do negócio.

Qual a importância de um plano de negócios para uma empresa?

Um plano de negócios tira a ideia da cabeça e a coloca no papel.

Esse é o segundo passo para alguém construir um novo negócio: primeiro uma ideia bacana sobre um serviço ou produto para lançar no mercado, depois um plano de negócios para responder se a proposta é viável.

O empreendedor também é um visionário: quando sua visão se traduz em um plano de negócios, ela automaticamente assume um ar de realidade.

Embora isso possa parecer chato para os jovens empreendedores, pense nisso: não seria mais fácil reunir todas as informações disponíveis sobre o seu negócio, especialmente os novos projetos da empresa, em um só lugar?

O objetivo de desenvolver um plano de negócios é articular todas as etapas e temas que fazem parte da avaliação e estabelecimento da empresa.

Ao registrar essas informações, o empreendedor pode identificar com mais clareza as dificuldades que pode enfrentar e avaliar se as vantagens do seu negócio correspondem com suas expectativas.

Por meio da montagem de um plano de negócios, muitas vezes são desvendadas questões que o empreendedor nem havia pensado: quantos funcionários serão necessários, como o produto será entregue, qual valor será cobrado por cada serviço.

Além disso, é através do plano de negócios que a necessidade de outras especializações como um curso de gestão de recursos humanos ead pode ser percebida.

Como mencionamos na introdução deste artigo, o conhecimento está sempre em evidência.

Como o plano de negócios é uma ferramenta que exige o esforço do próprio empreendedor, para que as coisas funcionem, o ideal é encontrar uma ferramenta que possa montar um plano baseado no perfil do empreendedor.

O mais importante, após a escolha da ferramenta, o empreendedor pode inserir informações relevantes e descobrir o que ainda precisa saber para fornecer uma base sólida para a proposta de negócio.

Por exemplo, saber se um projeto tem clientes suficientes para se sustentar quando estiver em funcionamento faz parte de um plano estratégico de vendas.

Mas o modelo é muito mais do que isso: há áreas onde é possível saber quem vai apoiar o negócio, quais são os concorrentes diretos e indiretos e quais os desafios que o negócio enfrentará. Lembre-se: nenhuma informação é irrelevante.

O plano de negócios está realmente pronto para começar a funcionar: ajudando você a iniciar sua empresa do jeito que você sempre quis, e até apontando caminhos para inovação ou expansão de um negócio que você já tem.

Empreendedorismo, como iniciar um negocio de sucesso

Empreendedorismo, como iniciar um negócio de sucesso?

Você deseja começar um negócio do zero, porém ainda não tem tanto dinheiro? Muitas pessoas pensam em abrir um negócio para aumentar a sua renda ou ter uma fonte maior de recursos que podem fazer a diferença em suas vidas. Mas para que esta seja uma jogada de sucesso, os futuros empreendedores devem estudar muito sobre o assunto, e nesse momento entram os Cursos Online sobre empreendedorismo e marketing.

Como, por exemplo, a Amazon de Jeff Bezos cresceu de uma pequena revendedora de livros usados para uma das empresas mais famosas e valiosas do mundo.

Neste artigo você verá algumas dicas para conduzir os seus negócios de forma organizada.

Vamos lá?

Dicas sobre como abrir um negócio do zero

 

  1. Faça o plano de negócios

Se você decidir ir em frente, um plano de negócios será o primeiro passo que você deve dar. Muitos profissionais acham que o processo pode parecer um tanto complicado à primeira vista, porém ele fica muito mais fácil quando você faz uma determinada pesquisa ou quando se faz uma leitura sobre o assunto.

Criar um plano significa determinar para onde sua empresa quer ir e qual será o caminho que você irá seguir para atingir suas metas e objetivos. Quando abordamos as metas que são planejadas com antecedência e as estratégias desenvolvidas, os gestores podem evitar perdas ao iniciar um negócio do zero.

 

  1. Saiba qual é o seu público

O plano de negócios de uma empresa está alinhado totalmente com o conhecimento do público-alvo que sua marca visa atender. Ajudando assim a escolher os melhores locais da cidade para abrir sua loja e desenvolver uma estratégia de marketing alinhada aos seus objetivos.

Com o objetivo de compreender melhor o seu público-alvo, pesquise sempre e peça para as pessoas do local responderem as perguntas que você tem dúvida, isso vai lhe ajudar a desmistificar tudo sobre o assunto.

Quando você faz uma pesquisa com os seus clientes ideais, os empreendedores compreendem sobre a faixa etária da sua persona, e assim saberá onde o seu público está concentrado.

 

  1. Invista em marketing

Podemos destacar que o marketing é mais do que apenas promover seus produtos quando sua loja estiver funcionando.

Ele será o responsável por agregar novos clientes com o objetivo de entender o seu negócio. A finalidade do marketing é atrair esses potenciais consumidores, os chamados prospects, para que eles conheçam seus produtos e serviços, então é hora de começar a trabalhar com o objetivo de orientá-los.

O funil de vendas é um o caminho que a sua empresa deverá planejar com o objetivo de seguir com o consumidor, levando-o desde o primeiro interesse até a finalização da compra.

 

  1. Aposte em uma vantagem competitiva e entenda o mercado

A vantagem competitiva de uma marca é o que a diferencia de seus concorrentes. Há diversos fatores competitivos para as empresas que se envolvem com os conceitos de valor e preço.

Podemos destacar que o preço é um número objetivo no rótulo que mostra quanto um cliente tem que pagar por um determinado produto ou serviço. O valor, por outro lado, é subjetivo e depende totalmente da percepção do próprio cliente.

Levando assim o consumidor a pagar mais por um determinado produto de uma marca conhecida, mesmo tendo opções mais baratas. Podemos destacar que a resposta sempre será o valor. Agregar valor nos objetivos da sua marca é uma aposta genial para alavancar as suas vendas.

Os empreendedores que desejam começar um negócio do zero deverão sempre estar disposto a investir em sua vantagem competitiva para se manter à frente em um mercado cada vez mais competitivo.

Atendimento é a diferença que salta aos olhos dos consumidores. Invista na qualificação de sua força de trabalho, incluindo treinamento contínuo. Com o objetivo de registrar os seus na ajuda de melhorar o seu processo.

 

  1. Controle os processos

Não adianta coletar dados e manter registros se os gerentes não os usarem em suas responsabilidades. Certifique-se de avaliar o desempenho de sua equipe de colaboração e medir assim o sucesso de cada estratégia.

Cada processo precisa ser bem gerenciado e avaliado após sua execução. Para otimizar a precisão da análise, os empreendedores que aceitam o desafio de começar um negócio do zero precisam contar com o apoio da tecnologia.

 

  1. Parcerias estratégicas

Podemos destacar que a sociedade é uma excelente alternativa comum e amplamente utilizada dentro do mercado. Diversas vezes, uma determinada pessoa entra com o recurso e outra pessoa entra com a ideia sobre a execução do projeto.

Tenha em mente que você deve saber sobre como escolher o seu parceiro dentro do mundo dos negócios. Os envolvidos dentro do projeto deverão sempre ter expectativas e objetivos altamente consistentes. Esclarecer as responsabilidades é algo fundamental com o objetivo de evitar problemas futuros.

 

  1. Defina seu produto ou serviço

Agora é a hora de projetar uma solução para todos os problemas que a sua empresa tem sobre identificação de nichos. Para uma empresa ter sucesso, ela deve oferecer produtos que realmente resolvam os problemas do consumidor. Portanto, pense sempre sobre como a sua empresa pode fazer isso e quais são os benefícios de seu produto ou serviço pode oferecer.

Como, por exemplo, se existe um problema, os empreendedores devem se esforçar para programar estratégias mais eficazes para enfrentar a crise de mudança de hábitos de compra dos consumidores.

E com isso, haverá uma grande oportunidade de negócio que deverá ser prestado pela consultoria de marketing para empresas.

Dentro da área de negócio, o marketing digital tem diversos serviços de produção de conteúdos da web que podem ser prestados com base nos perfis dos seus consumidores online.

 

  1. Conheça as questões burocráticas

Diversas pessoas tendem a ignorar as questões burocráticas, porém sem entender os aspectos legais que regem os negócios e a publicidade, você não pode fazer negócios, seja na sua cidade ou pela Internet.

Por exemplo, se você trabalha com Cursos Online, você deve saber quais são os cursos mais procurados pelos estudantes. Com os devidos dados, você poderá investir no campo e, assim, ter um maior investimento.

Como superar o medo de fracassar nos negócios

Em um ponto ou outro, o medo afeta a todos nós, embora em maior ou menor grau. Algumas pessoas passam por isso sem muitos problemas, enquanto outras ficam paralisadas. Vamos ver algumas dicas para superar o medo de fracassar, falaremos de casos específicos relacionados ao negócio.

Conselho Geral de como superar o medo de fracassar

O medo pode ser definido como o sentimento mais ou menos agudo de que algo vai dar errado e nos prejudicar. Muitas vezes é difícil entender muito bem a razão de nosso medo, e tudo o que sabemos é que algo está errado. Tem a ver com a percepção do risco, embora risco e medo sejam duas coisas muito diferentes. Quero esclarecer que estou me referindo a medos comuns. Em caso de fobias e patologias, é muito mais recomendado consultar um psicólogo do que ler um artigo em um blog sobre empreendedorismo.

O que você pode fazer para superar o medo de fracassar?

  • Comece identificando-o. Como disse, às vezes sentimos medo sem saber muito bem sua origem. O primeiro passo para superar esse medo é entendê-lo. Geralmente acontece quando estamos em uma situação incomum. O desconhecido desperta nosso medo: como não conhecemos a situação, passamos a imaginar cenários onde tudo dá errado.
  • Elimine parte do desconhecido. Agora que você sabe o que o assusta, em vez de ter um sentimento difuso sobre uma situação desconhecida, você pode fazer o exercício de imaginar concretamente o que vai acontecer, ou se informar se necessário. Assim, você elimina parte do desconhecido e parte do medo.
  • Treine para a situação. Em muitas ocasiões, você pode treinar para enfrentar a situação que gera esse medo. A prática lhe dá segurança e reduz a influência do medo.
  • Pense no pior que pode acontecer. E não se limite a isso, mas faça um esforço para medir o impacto que o pior cenário teria em sua vida. Você verá que na maioria dos casos não seria tão dramático e haveria soluções, embora obviamente seria melhor se isso não acontecesse.
  • Aceite o que não pode ser mudado. A aceitação faz parte da estratégia para eliminar o medo. Se você perceber que nem sempre pode vencer e aceitar a derrota, você também reduz o medo.

Situações assustadoras clássicas sobre como superar o medo de fracassar

como superar o medo do fracasso nos negócios

Supere o medo de fracassar em uma entrevista de emprego

Quando você está procurando um emprego, é normal você ficar apreensivo antes de entrar na sala com o entrevistador. Qual é o medo geralmente? Se errar e não ser contratado. Na verdade, é um medo com pouco embasamento, porque ao procurar um emprego em uma determinada candidatura, o mais normal é que eles não contratem você, mesmo que você faça bem. Simplesmente acumulando oportunidades é quando você acaba alcançando-as. Portanto, a pior coisa que pode acontecer com você é permanecer como está.

As entrevistas de trabalho são treinadas. Você pode encontrar perguntas comuns para entrevistas online e se preparar. E uma vez que você está em uma entrevista, torna-se uma situação familiar, o que tira muito estresse dela.

Superando o medo de fracassar em uma apresentação pública

É outra situação muito clássica nos negócios. Você foi convidado a fazer uma apresentação e, como é normal para você enfrentar um grande público, sua mente já imagina risos ou situações em que você está desesperadamente em branco.

Nesse caso, as consequências também não são tão dramáticas. Em um ambiente profissional, é muito difícil para o público zombar de uma pessoa que está fazendo uma apresentação, mas mesmo que isso aconteça, é apenas um momento ruim. Então a atenção das pessoas mudará para outra coisa, e elas se esquecerão disso.

Quanto à entrevista, o treinamento é essencial para superar o medo de fracassar em caso de apresentação. Se você repassar sua apresentação 15 ou 20 vezes, será virtualmente impossível entendê-la muito mal. Claro, você terá que dedicar tempo e atenção.

Supere o medo do fracasso financeiro

Nesta seção, agruparei dois medos comuns: de que você será demitido (para um funcionário) ou de que sua empresa irá falir (para um empresário). As consequências, neste caso, são muito mais graves, pois teoricamente poderia colocar em risco a sua segurança econômica e a capacidade de pagar o alojamento, a alimentação e / ou a sua família.

Mas quando você olha mais de perto, vê que as consequências não são tão dramáticas. Em caso de perda do emprego, existe o seguro-desemprego bancado pelo Governo Federal e, claro, a possibilidade de encontrar outro emprego, mesmo que implique um sacrifício (por exemplo, mudança de área).

No caso de uma empresa, em teoria você poderia falir completamente, é verdade, mas é por isso que existem as técnicas de eliminação do desconhecido e o treinamento que discutimos anteriormente. Quero dizer que conhecendo as possíveis consequências de um fracasso empresarial, você sempre toma suas decisões com sabedoria. Se você abrir uma empresa, vai limitar sua perda ao capital investido, por exemplo. Você também pode se recusar a hipotecar bens pessoais para o seu negócio. E se você está ciente do andamento de sua empresa, poderá decidir encerrar o negócio antes que o fracasso tome grandes proporções.

Voltar ao funcionário, eliminar o desconhecido significa, nesse caso, criar uma reserva de dinheiro para momentos mais difíceis, por exemplo.

Supere o medo do conflito

O último exemplo que gostaria de propor a você é o medo do conflito. Muitas pessoas temem a ideia de confrontar uma pessoa que pensa diferente, especialmente se essa pessoa estiver com raiva. Isso pode acontecer nas relações pessoais, mas como as empresas são feitas por pessoas, também acontece nos negócios. O que pode acontecer de pior? Que uma pessoa te ignore ou grite com você? Não parece grande coisa, exceto pelo impacto emocional, que pode ser perceptível.

Nesse caso, duas das estratégias citadas anteriormente podem ser úteis. Em primeiro lugar, você pode treinar. Se você não gosta de conflitos e tende a querer que todos sejam felizes com você, tente argumentar opiniões diferentes com pessoas racionais. Não estou dizendo que você os provoca, mas que você cria uma pequena discussão sobre um tema, para ver que não é tão ruim.

A segunda estratégia que funciona bem nessa situação é a aceitação. Não importa o quanto você tente, você não pode controlar como as outras pessoas o percebem. Se eles não gostam e te odeiam, você não pode fazer nada.

Obviamente, digo isso presumindo que você tentou manter um diálogo racional e educado com a pessoa em conflito. Isso é o primeiro.

Essas são apenas algumas situações no ambiente profissional. Se você tiver mais exemplos, você pode compartilhar conosco nos comentários.

Qual a Diferença entre Stakeholder e Shareholder

Qual a Diferença entre Stakeholder e Shareholder?

Qual a Diferença entre Stakeholder e Shareholder? | “Shareholder (Acionistas)” e ” Stakeholder (partes interessadas)” são dois termos dentro da administração do projeto que soam similares, mas têm significados muito diferentes. Muitas pessoas até pensam que são intercambiáveis – não são.

Neste guia do Virtual Ad, vamos descobrir essas diferenças e depois discutiremos o que pode ser feito para combater a influência negativa dos stakeholders em seus projetos.

O que é um Stakeholder?

Qual a Diferença entre Stakeholder e um Shareholder

Qual a Diferença entre Stakeholder e Shareholder

Uma parte interessada é qualquer indivíduo ou entidade com interesse em quão bem uma empresa – ou projeto – está fazendo, pois seu desempenho tem um efeito direto ou indireto sobre eles. As partes interessadas de uma empresa incluem:

  • Empregados que perdem seus empregos se a empresa entrar em falência
  • Clientes que não podem mais dispor de produtos ou serviços se a empresa deixar de operar
  • Fornecedores que perdem um fluxo de receita consistente
  • Credores que perdem dinheiro se a empresa não cumprir com suas obrigações financeiras
  • Acionistas que perdem o dinheiro que investiram se a empresa for fechada
  • As partes interessadas também incluem a comunidade e a sociedade em geral. Portanto, se você está no negócio de manufatura, por exemplo, você tem que considerar as necessidades das comunidades vizinhas – especificamente, como suas operações afetam seu sustento e qualidade de vida.

Os stakeholders podem ser internos ou externos:

  • Stakeholders internos: Qualquer indivíduo ou entidade que tenha uma relação direta com a empresa. Exemplos são proprietários, funcionários, investidores, gerentes, o conselho de administração, etc.
  • Stakeholders externos: Uma pessoa ou organização não diretamente relacionada com a empresa, mas que, no entanto, é afetada por suas decisões e ações. Exemplos são clientes, usuários finais, credores, fornecedores, a comunidade local, a sociedade em geral e os órgãos reguladores do governo.

Na gestão de projetos, as pessoas ou entidades que podem ser consideradas partes interessadas incluem:

  • Comitê Executivo
  • Patrocinador do projeto
  • Líderes de projeto (por exemplo, gerente de projeto ou scrum master)
  • Membros da equipe
  • Gerentes funcionais
  • Consultores de projeto
  • Empreiteiros
  • Clientes

O que é um Shareholder (acionista)?

Um acionista é um indivíduo ou organização que possui ações de uma empresa de capital aberto ou privado e, portanto, tem interesse em sua rentabilidade. Dependendo dos tipos de ações que possuem, podem receber dividendos, votar na política corporativa ou emendas, ou eleger um conselho de administração.

Embora as decisões dos acionistas possam influenciar a direção que uma empresa toma, como no caso de fusões e aquisições, os acionistas não são responsáveis pelas dívidas da empresa.

Os acionistas também são conhecidos como acionistas, e são tipicamente categorizados como:

  • Acionista preferencial: Os detentores de ações preferenciais geralmente não têm direito a voto, portanto não têm voz no futuro da empresa. Mas eles recebem um pagamento de dividendos anuais garantidos (exceto sob certas circunstâncias).
  • Acionista ordinário: Os dividendos das ações ordinárias são variáveis, não garantidos, e determinados pelo conselho de administração. Se os ativos de uma empresa tiverem que ser liquidados, os acionistas ordinários são os últimos a serem pagos, após os credores e os acionistas preferenciais terem recebido sua parte. Mas, ao contrário dos acionistas preferenciais, eles têm direito a voto, o que lhes confere algum nível de controle sobre as decisões administrativas e a política corporativa. Mais pessoas investem em ações ordinárias do que em ações preferenciais.

Qual a Diferença entre Stakeholder e Shareholder?

Para sublinhar ainda mais as diferenças entre os dois, vamos compará-las e compará-las mais de perto.

1. Propriedade da empresa

Os acionistas possuem parte do negócio, determinada pelo número de ações que possuem. Um acionista majoritário é uma pessoa física ou jurídica que possui pelo menos 50% das ações em circulação da empresa. Muitas vezes, estes são os fundadores da empresa ou os descendentes dos fundadores.

As partes interessadas não têm necessariamente ações da empresa, mas têm uma participação – uma participação – na mesma. As partes interessadas às vezes também têm ações da empresa, como no caso dos acionistas funcionários.

2. Prioridades

Os acionistas se concentram principalmente no retorno financeiro de seus investimentos, seja na forma de dividendos ou valorização das ações. As partes interessadas se concentram no desempenho geral da empresa, como ela trata os clientes, parceiros e funcionários, e como ela impacta a comunidade, entre outras coisas.

3. Necessidade a longo prazo versus necessidade a curto prazo

Os acionistas são livres para fazer o que quiserem com suas ações – eles podem vendê-las e comprar ações de outra empresa, mesmo que seja uma empresa concorrente. Em outras palavras, eles podem ser investidos financeiramente na empresa, mas seu sucesso geral nem sempre é uma prioridade.

As partes interessadas estão geralmente no jogo a longo prazo e têm o maior desejo de que uma empresa tenha sucesso, não apenas em termos de desempenho das ações.

4. Categorização

O grupo de partes interessadas é uma categoria significativamente mais ampla do que os acionistas. Os acionistas são sempre partes interessadas, mas as partes interessadas não são necessariamente acionistas.

Outra distinção importante – somente as empresas que emitem ações têm acionistas, enquanto todas as organizações, grandes ou pequenas, não importando o setor em que operam, têm partes interessadas.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén